Blog

  • Ser mãe o ano inteiro

    Publicado em 13-07-2017 | Artigo

    Dia das mães passou e várias homenagens lindas sempre são feitas nesta data, exaltando tudo que a mãe é capaz de fazer. Mães trabalhadoras, mães em tempo integral, mães donas de casa, mães com diversas funções acumuladas.

    Nossa sociedade aprova e cobra que as mulheres sejam super-mães, pacientes, bonitas, saudáveis, independentes, felizes, com filhos educados e obedientes. O grande nível de exigência faz com que um sentimento muito comum paire sobre a mente das mães: a CULPA. Geralmente a culpa por não dar conta de atingir o pacote de adjetivos e regras que são estabelecidos como ideal pela sociedade.

    Uma boa dica para diminuir essa culpa é suspeitar das frases que se iniciam com o famoso “tem que”. Essas são regras pré-estabelecidas que muitas vezes são repetidas sem qualquer reflexão. A história abaixo mostra exatamente como as crenças vão se perpetuando.

    Toda a tarde de domingo a mãe assava um peixe. Quando ia fazê-lo ela sempre cortava seu rabo antes de assá-lo. Um dia o filhomais novo perguntou: "Mãe, porque você sempre corta o rabo dopeixe?"

    A mãe respondeu: "Minha mãe me ensinou dessa forma".

    Não conformado com a resposta, o filho foi até a casa de sua avó e perguntou para ela o porquê de cortar a cauda do peixe quando o mesmo era assado.

    A avó então respondeu: "Não sei quanto a sua mãe, mas eu cortava o rabo do peixe, porque minha forma era pequena".

    Nem sempre o que é determinado pelos outros servirá para você. E provavelmente nesse processo de testes ocorrerão sucessos e falhas.

    Então queridas mães, sinto lhes informar que são seres imperfeitos, que vão errar e se irritar com pequenas e grandes coisas, muitas vezes desejarão sumir e sentirão extremo desânimo e mesmo assim serão as mulheres mais amadas por aqueles que trouxeram ao mundo.

    As imperfeições é que te tornam única e são elas que ensinarão aos seus filhos que a vida é feita de erros e acertos. Então parabéns, não só por tudo aquilo que faz, mas principalmente por tudo que tenta e não consegues fazer. Segundo Winnicott, grande pesquisador do papel da mãe, para uma formação bem-sucedida do bebê é necessária uma mãe suficientemente boa; atenção, isso não quer dizer totalmente boa. Então, as melhores mães são aquelas que assumem essas imperfeições e que conseguem ser felizes fazendo o possível e não, tudo.

    Para contribuir com o bem-estar da mãe nesse intenso processo de mudança, contamos com o serviço de Psicologia, que oferece palestras, plantões especializados e psicoterapia, cuja a finalidade é informar, compreender e tratar. Com esse rol de atividades a Spaço Mãe e Bebê busca apoiar e promover a melhor qualidade de vida de todo grupo familiar.

    Por Monize Santos - Psicóloga (CRP) 12/14502